BB troca comando em empresa de consórcio após casa civil barrar filiado ao PT

BB troca comando em empresa de consórcio após casa civil barrar filiado ao PT

Coluna do Broadcast

21 de agosto de 2019 | 05h00

A Casa Civil barrou a indicação do nome de Alex Rangel Alonso para a presidência da empresa de consórcios do Banco do Brasil. Apesar de sua experiência e currículo, pesou o fato de o executivo já ter sido filiado ao Partido dos Trabalhadores. Segundo a base de dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alonso ingressou no diretório estadual do PT no Rio de Janeiro em outubro de 1999. Recentemente, o executivo pediu o cancelamento da filiação, o que foi confirmado em 24 de junho. Era tarde demais. Mesmo fora do partido, a Casa Civil não aprovou o nome de Alonso para o cargo máximo da BB Consórcios.

Pingue-pongue

É a segunda mudança envolvendo Alonso nos últimos tempos. Ele era o nome cotado para a presidência do banco argentino Patagônia, do qual o BB detém 80,38% das ações, mas a operação foi abortada após a indicação para a mesma cadeira de Delano Valentim de Andrade, até então diretor de marketing do banco e que deixou o posto após um comercial da instituição ser retirado do ar por ter desagradado o presidente Jair Bolsonaro.
Tangente. Com a recusa do nome de Alonso, o diretor executivo da BB Consórcios, Paulo Ivan Rabelo, foi indicado para comandar a empresa. Procurado, o BB não comentou.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

banco do brasil

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: