BNDES exige que Azul use recursos de socorro para retomada

BNDES exige que Azul use recursos de socorro para retomada

Cynthia Decloedt

18 de julho de 2020 | 20h50

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) colocou na mesa de negociações com a companhia aérea Azul a condição de que os recursos do pacote de socorro do banco de fomento não fossem usados para honrar compromissos vencidos com os lessores, como são chamados os arrendadores de aeronaves e motores. O BNDES quer garantir que o destino do dinheiro, que pode chegar à R$ 1,2 bilhão, seja sustentar o fluxo de caixa para operar na retomada dos voos.

Negociações. Assim como na maior parte das companhias aéreas, as propostas da Azul com os lessores giram em torno da repactuação de contratos de aeronaves. A ideia, por enquanto, é não devolver aviões. O balanço do primeiro trimestre da Azul mostrou que os passivos relacionados a arrendamento somavam cerca de R$ 15,8 bilhões, até 31 de março. A Azul irá divulgar seu balanço do segundo trimestre em 13 de agosto. Procurada, a Azul não comentou. O BNDES não respondeu.

Contato: colunadobroadcast@estadao.com.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: