Bônus da Odebrecht já valem 92% menos nos EUA

Bônus da Odebrecht já valem 92% menos nos EUA

Coluna do Broadcast

07 de junho de 2019 | 04h00

Os investidores estrangeiros pagam atualmente pelos bônus da construtora OEC, da Odebrecht, apenas 8% do valor obtido na emissão. O valor demonstra a expectativa de calote pela companhia de 92% sobre os US$ 2,9 bilhões em bônus emitidos no exterior durante vários anos. É o menor valor atingido por esses papéis historicamente e também reflete a decepção dos investidores com o fim das conversas com a holandesa LyondellBasell para a venda da participação da Odebrecht na Braskem. Há alguns dias, os investidores pagavam cerca de 12% do valor original pelos mesmos papéis. Antes do pedido de recuperação judicial da Atvos, o braço sucroenergético do grupo, na semana passada, os bônus negociavam em torno de 15%.

Sem esperança. Os juros semestrais desses bônus não são pagos desde outubro do ano passado e a OEC tem uma negociação com seus detentores desde então.

Querias… No início do ano, os donos dos títulos da dívida chegaram a pedir à construtora que fossem pagos com o dinheiro da venda da Braskem. A OEC prossegue com as conversas com esses credores, mas se a holding entrar em recuperação judicial possivelmente arrastará o grupo, podendo alterar o rumo dessas negociações. Procurada, a OEC não comentou.

Contato: colunadobroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem delay, assine o Broadcast+

Tudo o que sabemos sobre:

odebrecht

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.