Bônus externos da Vale resistem a Moody’s, mas mercado está em alerta

Bônus externos da Vale resistem a Moody’s, mas mercado está em alerta

Coluna do Broadcast

28 de fevereiro de 2019 | 04h00

A perda do grau de investimento da Vale pela agência de classificação de risco Moody’s não causou grande impacto nos preços dos bônus da companhia no exterior. No entanto, a preocupação recai sobre a possibilidade de o movimento ser seguido por outra agência de rating, o que implicaria no desmonte de posições nos bônus da mineradora por grandes investidores institucionais, como fundos de pensão e seguradoras. Estimativas indicam que poderia haver desova dos papéis de US$ 1,1 bilhão no melhor cenário a US$ 5 bilhões no pior quadro. Tal venda em massa de bônus da mineradora puxaria poderia, eventualmente, atingir até outros bônus brasileiros, inclusive os soberanos.

Passou batido. Na quarta-feira, o bônus que tem maior giro diário da Vale, de vencimento em 2026, chegou a cair mais de 2% com o rebaixamento da nota da Vale pela Moody’s de Baa3 para Ba1, mas a perda desacelerou para 0,9%. Apesar de tudo, muitos investidores ainda dizem que Brumadinho tem impacto maior sobre a imagem do que sobre a qualidade do crédito da mineradora.

Siga a @colunadobroad no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem o delay assine o Broadcast+

Tudo o que sabemos sobre:

valecrédito

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.