Bradesco abre espaço no segmento private a partir de acordo fechado com o JPMorgan

Bradesco abre espaço no segmento private a partir de acordo fechado com o JPMorgan

Fernanda Guimarães

01 de setembro de 2020 | 08h46

O Bradesco deu mais um passo rumo à expansão de seu segmento private, aquele concentrado em clientes que possuem mais de R$ 5 milhões para investimento, com o acordo que acaba de fechar com o banco norte-americano JPMorgan, conforme antecipou a Coluna do Broadcast.

“Reforçaremos nossa posição no segmento ‘high’ e ultra-high’ e teremos mais um suporte de crescimento na área”, afirma o vice-presidente do Bradesco, Marcelo Noronha, em entrevista ao Broadcast. Com tendência de crescimento em um ambiente de juro real próximo de zero no País, o volume de investimentos do segmento private no Brasil está atualmente na casa de R$ 1,38 trilhão.

A negociação com o JPMorgan começou ainda antes pandemia, chegou a ser paralisada, mas foi retomada recentemente, com a escolha do Bradesco. O acordo ocorre em meio à decisão estratégica do JP de deixar o private banking no Brasil. O acordo é de transferência de clientes sob indicação, o que significa R$ 20 bilhões de ativos sob gestão que o JP possui nesse segmento por aqui.

Com o acordo, o Bradesco tem o potencial de ganhar mais alguns degraus na participação de mercado entre os mais endinheirados do País. Se a transferência dos clientes for integral, o banco aumentará em uma única tacada os ativos sob gestão de seu private em 7 pontos porcentuais. Hoje a instituição possui R$ 300 bilhões sob gestão, conforme os últimos dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), o correspondente a 21% de market share.

“Nossa meta é crescer acima da média do mercado e somos hoje o segundo do mercado”, comenta Noronha. Para o executivo, outro ponto alto da negociação é o Bradesco poder trazer para dentro de casa os funcionários do private do JP, algo em torno de 60 pessoas, mas o número ainda dependerá da quantidade de clientes que farão a transferência dos seus recursos. Os termos do acordo não foram divulgados.

O vice-presidente do Bradesco afirma que o banco vem se dedicando ao longo dos últimos anos para crescer no segmento de mais alta renda e que diversos investimentos já foram realizados neste sentido. Uma das contribuições virá do adquirido BAC, na Flórida, compra que aguarda aval dos reguladores, e que trará um leque de opções de investimentos no exterior. O ambiente externo tem ganhado muito apelo por conta da procura crescente por diversificação dos investidores, diante de um mundo de juros baixíssimos no País.

O private do Bradesco já conta com uma equipe de 450 pessoas, sob o comando de Guto Miranda, que chegou ao banco depois da aquisição do HBSC.

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 31/08/2020 às 22:30.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse http://www.broadcast.com.br/produtos/broadcastplus/

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:

bradescoJPMorganPrivate

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.