Bradesco e Itaú desovam mais de R$ 2 bilhões em “crédito podre” de empresas

Bradesco e Itaú desovam mais de R$ 2 bilhões em “crédito podre” de empresas

Cynthia Decloedt

28 de março de 2021 | 05h00

Foto: Fabio Motta/Estadão

Os grandes bancos estão acelerando o contato com o mercado para a venda de carteiras de empresas inadimplentes, inclusive com os compradores dos chamados “créditos podres”. O Bradesco está com um processo de venda em andamento envolvendo R$ 2 bilhões em créditos não honrados por cerca de 10 empresas, a ser concluído no segundo trimestre. O Itaú Unibanco, por sua vez, já vendeu uma carteira de R$ 250 milhões e avisou aos interessados que sairá com outros três processos este ano, de venda de créditos não pago por grandes e médias empresas. Procurados, o Bradesco e o Itaú Unibanco não comentaram.

Os bancos estão ainda desovando carteiras de crédito não pago por empresas em crises anteriores à pandemia. Antes de fazer a venda, os bancos dão prazos e tentam recuperar os pagamentos, até que fique claro que manter esse crédito no balanço da instituição não vale mais a pena.

Carteiras afetadas pela pandemia

Agora, os bancos já começam a colocar à venda algumas carteiras de empresas que têm sofrido por conta da pandemia. Os volumes são muito baixos e, aparentemente, os bancos estão testando os preços que os investidores querem pagar.

Entre os créditos que têm chegado ao mercado estão dívidas em dólar do segmento do agronegócio, créditos vencidos do setor imobiliário e varejo. Ou seja: aqueles em que a visibilidade de recuperação do crédito é bastante baixa.

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 26/03/2021, às 16:58:05 .

Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

crédito podrebradescoItaú

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.