Bradesco vende carteira de R$ 5,2 bi para a Ativos, do BB, e projeta R$ 15 bi para 2019

Bradesco vende carteira de R$ 5,2 bi para a Ativos, do BB, e projeta R$ 15 bi para 2019

Coluna do Broadcast

15 de dezembro de 2018 | 15h17

A venda da carteira de créditos vencidos e não pagos do Bradesco para a Ativos, gestora do Banco do Brasil, neste mês totalizou R$ 5,171 bilhões, conforme apurou a Coluna do Broadcast. Ontem, ao falar da estratégia do banco nessa área, o vice-presidente do Bradesco, Eurico Fabri, disse apenas que o total cedido pela instituição chegou próximo de R$ 15 bilhões em 2018, e não deu mais detalhes. Segundo ele, o banco espera repetir o volume deste ano em 2019, uma vez que a venda de carteiras vencidas, os chamados créditos podres, se tornou um hábito na instituição. “O processo de venda de carteira é recorrente”, afirmou o executivo.

De acordo com ele, o Bradesco, que por anos relutou em ceder carteiras de créditos vencidas e inadimplentes há bastante tempo, vai continuar atuando neste mercado, de NPL, na sigla em inglês, de forma recorrente nos próximos anos. Quanto à compra de 65% da RCB Investimentos, especializada na recuperação de empréstimos vencidos e inadimplentes, Fabri explicou que a empresa não terá exclusividade nas operações e terá de concorrer com os demais players na disputa pelas carteiras do banco.

Já foi assim na última operação que o Bradesco fez, arrematada pela Ativos, neste mês. A RCB disputou com outros nomes tradicionais do mercado de crédito podres, tais como Return Capital, do Santander, Omni e Recovery, do Itaú Unibanco, que levou as duas operações anteriores que o banco fez esse ano, segundo fontes. “Fazendo a melhor proposta, a RCB vai levar as carteiras”, destacou Fabri em conversa com jornalistas.

Segundo ele, o Bradesco obteve neste mês o aval do Banco Central para a compra da RCB e a empresa, além de disputar as carteiras do banco, também vai trabalhar na recuperação do crédito ativo, isto é, antes do prazo de 360 dias e que não foi lançado a perda. Assim, conforme o vice-presidente do banco, a RCB poderá contribuir para gerar melhores práticas na operação do Bradesco.

No anúncio da aquisição de uma fatia da RCB, no início de outubro, o banco informou que a partir do investimento espera melhorar entre 20% e 25% a recuperação de créditos inadimplentes nos próximos dois anos. O Bradesco, conforme noticiou o Broadcast à época a partir de informações de fontes de mercado, desembolsou R$ 224 milhões na aquisição de 65% da RCB Investimentos. O banco chegou a olhar outros ativos do mercado de NPL no Brasil, mas acabou optando pela última grande noiva disponível, com cerca de R$ 20 bilhões em carteiras adquiridas e com foco no varejo.

A investida recente dos grandes bancos no mercado de NPL começou com a venda da Recovery, antes do BTG Pactual, para o Itaú Unibanco, em 2015. Na sequência, o Santander Brasil comprou 70% da gestora Ipanema, que foi rebatizada e passou a se chamar Return. Antes, o Banco do Brasil já atuava com a sua própria gestora, a Ativos. O Bradesco, com a RCB, fechou esse ciclo. Procurados, Bradesco e BB não comentaram o assunto. (Aline Bronzati)

Siga a @colunadobroad no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem o delay assine o Broadcast +

Tendências: