Caixa abre disputa por novo parceiro em maquininhas

Caixa abre disputa por novo parceiro em maquininhas

Coluna do Broadcast

23 de julho de 2019 | 04h00

A Caixa Econômica Federal acerta os últimos pontos para iniciar na semana que vem a busca de um parceiro para botar os pés no setor de maquininhas. Será uma das operações da Caixa Pay, braço de cartões que o banco público está estruturando e que planeja levar à Bolsa, assim como o de seguros, ainda no segundo semestre deste ano. Outras duas áreas que devem ser alvo de uma abertura de capital são as de gestão de recursos e loterias. A ideia do banco presidido por Pedro Guimarães (foto) é formalizar o convite aos interessados no fim da semana que vem. A seleção de um parceiro em maquininhas era esperada para ter início em junho, mas atrasou por trâmites processuais, inclusive, uma consulta junto ao Tribunal de Contas da União (TCU).

Põe o dedo aqui. A Caixa é o único grande banco que não opera no mercado de maquininhas. O objetivo da nova gestão do banco público é constituir uma joint venture com uma empresa especializada para explorar o segmento, que enfrenta uma verdadeira ebulição no País. Até então, a Caixa operava em parceria com a Cielo, controlada por Bradesco e Banco do Brasil, que deve fazer força para vencer a disputa aberta no mercado.

Pacote completo. Além da empresa para explorar o setor de maquininhas, a Caixa Pay terá uma bandeira de cartões adicional à Elo – da qual o banco já é sócio ao lado de Bradesco e BB, meios de pagamentos pré-pagos e ainda um programa de fidelidade. A subsidiária nascerá com uma base de 106,6 milhões entre cartões de débito e crédito e faz parte da estratégia da nova gestão do banco público de reestruturar a casa com foco em negócios rentáveis. Procurada, a Caixa não comentou. O TCU também não se manifestou.

Contato: colunadobroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem delay, assine o Broadcast+

Tudo o que sabemos sobre:

Caixa Econômica Federaladquirência

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.