Caixa desiste de ter banco de investimento próprio

Caixa desiste de ter banco de investimento próprio

Coluna do Broadcast

12 de setembro de 2019 | 04h00

A Caixa Econômica Federal desistiu da ideia de ter um banco de investimento para chamar de seu. O foco da instituição pública é estruturar as próprias operações, incluindo quatro aberturas de capital e a oferta de participações acionárias do FI-FGTS, que administra os recursos dos trabalhadores. Nada mais. A mudança de foco ocorre em meio à saída do vice-presidente de finanças e controladoria da Caixa, André Laloni, que assumiu a diretoria de crédito e participações no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) há menos de um mês. Atualmente, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, tem na mira quatro objetivos definidos: 1) fechar parcerias e realizar ofertas de ações em segmentos como seguros, cartões de crédito, loterias e gestão de recursos; 2) venda de ações do FI-FGTS, como as do Banco do Brasil; 3) a oferta do Banco Pan (ex-Panamericano); e 4) devolução dos recursos em torno dos instrumentos híbridos de capital e dívida ao governo.

Mais complicado… Em 2008, a Caixa cogitou estruturar um banco de investimento, mas deixou os planos de lado em meio à crise financeira internacional. Uma nova tentativa foi feita quatro anos depois, durante o primeiro governo da ex-presidente Dilma Rousseff, que também não vingou.

…do que parece. Quando Pedro Guimarães assumiu a presidência da Caixa, chegou a afirmar que, assim como Bradesco e Itaú Unibanco massacraram os menores na área de banco de investimento no passado, agora seria a hora de dar o troco. A instituição chegou a participar de operações como a nova tentativa de IPO da Vamos, locadora de caminhões da JSL, que não ocorreu. Agora, os planos mudaram. Procurada, a Caixa não comentou.

contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

Caixa Econômica FederalbndesFGTS

Tendências: