Caixa revisa estratégia de venda de 6 mil imóveis

Caixa revisa estratégia de venda de 6 mil imóveis

Coluna do Broadcast

21 Setembro 2018 | 04h00

A Caixa Econômica Federal está reavaliando sua estratégia para a venda de duas carteiras com cerca de 6 mil imóveis recuperados, já ofertadas sem sucesso a investidores especializados em ativos problemáticos.

Uma alternativa possível é desistir de vender os imóveis no atacado, ou seja, em lotes, algo que a Caixa nunca havia feito antes. Desde agosto, o banco público já abriu duas vezes o processo formalmente em seu site, mas não atraiu propostas, apesar de os investidores estarem de olho no negócio desde fevereiro.

O problema foi a exigência feita pela Caixa, de que as propostas considerassem um desconto máximo de 30% sobre o valor de avaliação das duas carteiras feitas pela própria instituição. Esse desconto, entretanto, foi considerado baixo pelos investidores. O banco havia avaliado o total dos ativos em R$ 1,2 bilhão.

Junto e misturado. Além disso, alguns potenciais compradores reclamaram que os lotes oferecidos pela Caixa envolviam imóveis muito distintos. Por isso, pedem para que o banco faça uma revisão nas futuras ofertas, separando unidades por critérios como região, tipologia e/ou valor. Apartamentos em Moema, por exemplo, têm uma demanda grande, mas terrenos em bairros periféricos não contam com o mesmo apelo.

Gigante. A Caixa tem mais de 40 mil imóveis recuperados após a execução de dívidas em todo o Brasil, entre casas, apartamentos, salas comerciais e terrenos. Esse estoque supera o que a cidade de São Paulo tem, atualmente, de residências novas à venda, que somam 18 mil. Procurada, a Caixa confirmou a revisão da estratégia e disse que avaliará internamente se fará novamente a oferta em lote e, enquanto isso, mantém a venda dos imóveis em varejo por meio do seu site. (com Circe Bonatelli)

Siga a @colunadobroad no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos as notícias em tempo real

Mais conteúdo sobre:

Caixa Econômica Federalimóveis