Catadores de sucata devem se tornar atividade essencial, defende entidade

Catadores de sucata devem se tornar atividade essencial, defende entidade

Fernanda Guimarães

26 de março de 2020 | 04h00

A entidade que reúne as empresas de sucata de ferro e aço, a Inesfa, defende que a atividade dos catadores seja considerada como essencial, para seguir independente da quarentena que paralisa o País na tentativa de conter o coronavírus. O argumento é de que o setor é um dos responsáveis por recolher das ruas materiais que seriam destinados a aterros e lixões ou outros locais. Expostos, podem se tornar foco transmissor de doença, como a dengue.

Catadores. O Inesfa representa um setor que reúne 5,6 mil empresas e no qual atuam mais de 1,5 milhão de pessoas. Segundo a entidade, seus associados estão orientando sobre segurança de trabalho, por conta da preocupação em relação aos trabalhadores, que recebem pela coleta seletiva diariamente. A entidade diz que a maioria das siderúrgicas estão operando normalmente até o momento e adquirindo sucata para produção de aço.

 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Quer saber mais sobre o Broadcast? Fale conosco

Tudo o que sabemos sobre:

#sucatacoronavírus#lixo