Censo Jurídico confirma ausência de especialistas em recuperação judicial

Coluna do Broadcast

07 de maio de 2017 | 05h00

Não é novidade, mas o primeiro censo do meio jurídico realizado pelo ProJuris mostra em números a ausência de advogados especializados em processos de recuperação judicial. A grande concentração de profissionais, conforme a pesquisa, está na área Civil (54%), seguida pela Trabalhista (19%) e Penal (5%). Advogados especializados em direito tributário e empresarial, mais próximos aos principais temas em uma recuperação judicial, sequer foram identificados em amostragem suficiente para constar nos principais números do censo.

Consequências
Assim, a maioria dos processos que compõem o volume recorde de recuperações judiciais, concentradas em médias e pequenas empresas, é arrastada não só pelo desconhecimento da maior parte do judiciário sobre o tema, mas também pela falta de profissionais.

Demanda
Além da falta de especialização, pesa ainda uma quantidade enorme de pedidos de recuperações judiciais em decorrência da crise no País. De 2014 até o mês passado, foram 4.376 casos, conforme indicador da Serasa Experian. Mas há uma luz no fim do túnel. No primeiro quadrimestre, o número de pedidos de recuperações judiciais, segundo a Serasa, recuou 30% ante o mesmo período de 2016.

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tendências: