Classes C e D voltaram a consumir no nível pré-covid, mas hábitos mudaram

Classes C e D voltaram a consumir no nível pré-covid, mas hábitos mudaram

André Ítalo Rocha

30 de agosto de 2020 | 05h14

Carrinho voltando a ficar cheio no supermercado. Crédito da foto: Amanda Perobelli/Estadão

Os brasileiros que fazem parte das classes C e D, com renda mensal entre R$ 1 mil e R$ 2 mil, voltaram ao nível de consumo que tinham antes do início do período de quarentena. É o que aponta pesquisa feita pela Superdigital, fintech do Santander voltada à inclusão financeira.

Pré, durante e pós. O levantamento da fintech compara três períodos distintos. O primeiro entre 15 de fevereiro e 15 de março, 30 dias antes do início do isolamento na principais capitais do País. O segundo vai de 16 de março a 15 de maio, o período mais restritivo (60 dias). O terceiro vai de 16 de maio a 15 de julho (60 dias), já com o início da reabertura em várias cidades.

Velho normal. Entre o período de reabertura (na média mensal) e o anterior à quarentena, houve crescimento de 1% nos gastos, praticamente estável. Em relação ao intervalo mais restritivo de isolamento, a expansão é de 17%.

Novo normal. Apesar de o retorno aos padrões anteriores de consumo, as classes C e D mudaram alguns hábitos no terceiro período em relação ao pré-covid. De um lado, houve avanços de 41% nas compras com aplicativos de delivery, de 203% com e-commerce e 30% em serviços de streamings. Do outro, foram verificadas quedas de 30% em restaurantes, 38% em transportes e 30% em combustíveis, mesmo com a reabertura.

Contato: colunadobroadcast@estadao.com

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 28/08/2020 às 16:13

O Broadcast+ é a plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse
http://www.broadcast.com.br/produtos/broadcastplus/

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.