Climatempo compra Somar e passa a deter 80% do setor de previsão do tempo

Climatempo compra Somar e passa a deter 80% do setor de previsão do tempo

Matheus Piovesana

30 de março de 2021 | 06h00

Parque do Ibirapuera. Foto: Felipe Rau/Estadão

O Grupo Climatempo comprou a Somar Meteorologia, sua principal rival no mercado de informações sobre o clima no País, em uma transação que deve formar uma empresa de R$ 40 milhões em receitas anuais e com 80% do setor no Brasil. O valor da compra não foi revelado.

Vendido à norueguesa StormGeo em 2019, o Climatempo espera fortalecer-se ante competidores internacionais, muito maiores e com mais capacidade de investimento. Serviços, como a AccuWeather, também têm presença forte em dispositivos móveis, por serem instalados pelas próprias fabricantes de celulares e tablets.

De acordo com o CEO do Climatempo, Carlos Magno do Nascimento, o negócio de informações para o consumidor final, que depende da publicidade online para faturar, sofreu um baque com a pandemia em 2020. Já o segmento corporativo, no qual o Climatempo fornece dados de setores que vão do agronegócio à construção civil, cresceu e deve seguir em alta. Segundo ele, a meta é dobrar a receita até 2022.

O otimismo, porém, é para o médio prazo. Magno afirma que, em janeiro e fevereiro , o faturamento do Climatempo subiu em relação ao mesmo intervalo do ano passado. Em março, porém, com novas medidas de restrição à circulação e o descontrole da covid-19 no País, as receitas caíram. A expectativa é de que o negócio volte a crescer em maio, caso a pandemia volte a arrefecer.

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 29/03/2021, às 12:18:17 .

Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

climatemposomaraquisição

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.