Com guerra, mineradoras de ouro da Bolsa de Toronto com operações no Brasil sobem

Com guerra, mineradoras de ouro da Bolsa de Toronto com operações no Brasil sobem

Cristiane Barbieri

01 de março de 2022 | 08h41

Complexo de mineração Ernesto/Pau-a-Pique, da canadense Aura Minerals, em Pontes e Lacerda (MT)  Foto: Aura

As ações de mineradoras – especialmente as que exploram ouro – dispararam com a eclosão da guerra entre Rússia e Ucrânia. Na TSX (Toronto Stock Exchange), na qual estão 43% das mineradoras listadas do mundo, a Aura Minerals, com produção no Mato Grosso, subiu mais de 11% nos últimos 30 dias. Já a Eldorado Gold Corp, que atua em três países além do Brasil, e canadense Belo Sun, com projeto no Pará, e superaram altas de 27% e 7% respectivamente.

Mineradoras de lítio, usado em baterias de carros elétricos, dominaram altas em 2021

No TSXV (para empresas emergentes), a tendência se repetiu para algumas mineradoras da área. A Cabral Gold, que explora ouro na região do Tapajós, subiu quase 23% no último mês, por exemplo. A TriStar Gold, que tem projeto no Pará, teve alta de 6,67%. Em 2021, a maior parte das altas do setor de mineração esteve ligada a novas tecnologias. Entre as dez empresas que mais se valorizaram no ano passado, quatro exploram lítio, usado na fabricação de baterias de carros elétricos e aparelhos portáteis.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 28/02 às 17h30.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.