Com prazo apertado, Caixa mira fevereiro de 2020 para IPO de seguros

Com prazo apertado, Caixa mira fevereiro de 2020 para IPO de seguros

Coluna do Broadcast

06 de outubro de 2019 | 04h00

A Caixa Econômica Federal vislumbra o início do próximo ano, possivelmente fevereiro, para capitanear a primeira abertura de capital de sua história: da Caixa Seguridade. Seria uma operação nos moldes da realizada pela BB Seguridade, do Banco do Brasil. Se lançada na primeira janela de 2020, será possível que a instituição utilize os dados do terceiro trimestre deste ano para a operação. A ideia inicial era emplacar a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) ainda em 2019, mas questões junto aos órgãos fiscalizadores, como o Tribunal de Contas da União (TCU), inviabilizaram o cronograma. A morosidade na estruturação de 11 parcerias, incluindo a conclusão da revisão do contrato com a sócia francesa CNP Assurances, também ajudou a empurrar as aberturas de capital da Caixa, que incluem ainda a operação de cartões, para 2020.

Apertado. No início, o plano da Caixa era de lançar, ainda em 2019, ao menos a operação de seguros na bolsa de valores, já muito aguardada pelos investidores. No entanto, a janela do fim do ano, mais precisamente a de dezembro, é apertada, diante das festas comemorativas, diminuindo o espaço possível para a realização das ofertas. A sinalização da atual gestão de Pedro Guimarães, escolhido para presidir a instituição no governo de Jair Bolsonaro, é tocar as operações sem pressa. Procurados, Caixa e Caixa Seguridade não comentaram. (Com Silvia Araújo)

Contato: colunabroadcast@estadao.com
Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

Caixa Econômica Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: