Com R$ 15 bi sob gestão, Manchester, ligado à XP, caça assessores para dobrar de tamanho

Com R$ 15 bi sob gestão, Manchester, ligado à XP, caça assessores para dobrar de tamanho

Cynthia Decloedt

23 de maio de 2022 | 16h50

Aposta é no baixo alcance das plataformas independentes de investimento   Foto: Fabio Motta/Estadão

O escritório de agentes autônomos ligado à XP, Manchester, está com planos ambiciosos de expansão, apesar da volatilidade do mercado acionário e de capitais neste ano. Com R$ 15 bilhões em ativos sob custódia, a ideia é dobrar o montante até 2024, basicamente por meio de uma expansão orgânica e aumento do contingente de assessores. O escritório aposta no mantra do baixo alcance que as plataformas independentes de investimento ainda têm junto ao público que está nos bancos.

Concorrência no segmento é grande

A Manchester tem atualmente 270 assessores comerciais e capacidade para abrigar outros 100 nos escritórios que já estão funcionando. Com os novos escritórios que deve abrir, a meta é em três anos atrair ao menos 250 assessores. Hoje, a Manchester está presente em 20 cidades nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. A rota de expansão deve seguir o fluxo do dinheiro, mesmo que a concorrência seja grande. A casa aposta que, por sua tradição, e pelos investimentos que faz para agregar oferta personalizada de atendimento, sai na frente de outros escritórios que brigam pelo investidor.

Para ter acesso a um assessor dedicado, entretanto, é preciso de um cheque a partir de R$ 300 mil, disponíveis a investimento. O ticket médio do escritório é de R$ 1 milhão e os canais digitais dão acesso aos investimentos para os menos endinheirados.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast no dia 23/05/22, às 15h44

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.