Com saída de Notredame, hospital Renascença, em Osasco, está à venda

Com saída de Notredame, hospital Renascença, em Osasco, está à venda

Economia & Negócios

19 Agosto 2018 | 04h00

O Hospital Renascença, de Osasco, que estava arrendado para a operadora NotreDame Intermédica, está à venda. A unidade era alvo de negociação junto aos proprietários e fundadores, a família Cury, e a operadora, mas as conversas não prosperaram. A NotreDame, que chegou a mencionar o hospital no prospecto da sua abertura de capital, em abril último, deixou a unidade no início do mês. Dentre os possíveis interessados no ativo, estão exatamente os concorrentes da operadora, tais como a Amil, controlada pela gigante americana UnitedHealth, e a Rede d’Or, da família Moll, do fundo soberano de Cingapura (GIC) e da gestora de private equity Carlyle.

Valuation. Apesar de a baixa do Renascença reduzir a rede de “hospitais próprios”, a NotreDame conta ainda com o Cruzeiro do Sul, adquirido no ano passado, na região de Osasco, e que fica a 300 metros da unidade fechada. Em fevereiro, inclusive, uma reforma foi concluída para a sua ampliação e a capacidade atual é de 140 leitos, o dobro do Renascença. Por outro lado, a venda do ativo abre uma oportunidade para a concorrência, visto que não há unidades similares na região. Com 77 leitos, o Renascença foi fundado pelo Dr. Faisal Cury. Procurados, os fundadores do Renascença não comentaram.

Siga a @colunadobroad no Twitter