Comercializadora 2W Energia deve entrar no mercado de créditos “verdes”

Comercializadora 2W Energia deve entrar no mercado de créditos “verdes”

Luciana Collet

04 de maio de 2021 | 05h20

Colheita da cana-de açúcar, usada na produção de biocumbustível. Foto: Thiago Teixeira/AE

A comercializadora 2W Energia está mapeando o potencial de mercado de Crédito de Descarbonização (CBio). Produtores de biocombustível emitem CBios, enquanto distribuidoras precisam comprá-los para atingir metas anuais de descarbonização.

No ano passado, algumas distribuidoras foram autuadas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) por descumprir seus objetivos. Cada CBio equivale a 1 tonelada de carbono que deixa de ser emitida com a substituição de combustíveis fósseis por renováveis. Os títulos devem ser comprados na B3 pelas distribuidoras e retirados de circulação até o fim de cada ano.

A comercializadora já possui relacionamento com diversos clientes que atuam na distribuição de combustíveis e com usinas de bioeletricidade, de etanol e de biodiesel, por causa das negociações de compra e venda de energia elétrica. A atuação no novo segmento deve focar empresas de menor porte.

Empresa tem planos para fazer um IPO

A 2W pretende se consolidar como plataforma de energia renovável e prevê construir parques próprios de geração. A empresa chegou a protocolar um pedido para uma oferta inicial de ações no fim de 2020, mas cancelou a transação, estimada na época em R$ 1,5 bilhão, por condições de mercado. Os planos de ingressar na Bolsa seguem firmes e podem se confirmar ainda neste ano.

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 03/05, às 16h14.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

2w energiaCBiosbiocombustível

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.