Companhias atrelam apoio de pessoas físicas para doar às ONGs

Companhias atrelam apoio de pessoas físicas para doar às ONGs

Coluna do Broadcast

03 de junho de 2019 | 16h50

As companhias estão mais exigentes na hora de ajudarem ONGs e estão atrelando doações ao apoio de outros investidores como, por exemplo, as pessoas físicas. A construtora OR (antiga Odebrecht) e a suíça Swiss Re, de seguros e resseguros, se comprometeram a dobrar os recursos obtidos na vaquinha virtual da Associação Maria Helen Drexel (AMHD), com foco em crianças em situação de vulnerabilidade. Assim, a cada R$ 1 doado por pessoa física, a ONG receberá R$ 3 com a ajuda das duas empresas.

De grão em grão. O objetivo é levantar R$ 1,1 milhão junto a pessoas físicas e jurídicas no Brasil e exterior para reconstruir a sede e o centro de lazer da organização, prejudicados por constantes enchentes e alagamentos na Vila Cordeiro, em São Paulo. Além de doadora, a Odebrecht vai ainda gerir a obra da Associação. A gestão da plataforma do financiamento coletivo, do inglês crowdfunding, está nas mãos da americana Charidy: www.charidy.com/helendrexel. Com quase cinco décadas de existência, a ONG Helen Drexel já ajudou mais de 900 crianças.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem delay assine o Broadcast+

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.