Conselheiro da Anatel desautoriza fala de ministro Fábio Faria sobre edital do 5G

Conselheiro da Anatel desautoriza fala de ministro Fábio Faria sobre edital do 5G

Circe Bonatelli

16 de setembro de 2021 | 05h20

Fábio Faria acompanha Bolsonaro em visita a exposição sobre 5G   Foto: Marcos Correa/PR

O conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) Moisés Moreira Queiroz negou que tenha se comprometido com a retomada da votação do edital do 5G na semana que vem, como declarou o ministro das Comunicações, Fábio Faria. Queiroz pediu vistas do processo nesta semana. A volta da deliberação está prevista para ocorrer na próxima reunião do conselho diretor, no dia 30, mas o conselheiro pode antecipar o pedido de suspensão.

“Só pautarei meu voto quanto estiverem em mãos as solicitações que foram enviadas aos ministério”, disse Queiroz à Coluna. “Não fiz compromisso nenhum com prazo”. Disse ainda estar “tranquilo” em relação ao tema e acostumado a lidar com esse tipo de pressão.

A Anatel enviou, na terça-feira, 14, um ofício para o Ministério das Comunicações com a solicitação de detalhamento dos projetos de implementação da rede privativa para uso exclusivo da União e da rede de fibra ótica na Amazônia, conforme exigência do Tribunal de Contas da União (TCU). Foi o que motivou o pedido de vistas de Queiroz, que entende ser necessário não deixar lacunas junto à Corte.

O TCU alertou a agência que o edital deve explicar como será a operação e a governança desses projetos. Aos olhos do TCU, também devem ser esclarecido quais os rumos da privatização da Telebrás, estatal que poderia ficar responsável pela gestão da rede exclusiva do governo.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 15/09/2021 às 17h43.

Broadcast+ é a plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.