Contratos digitais no setor imobiliário ganham escala na pandemia

Contratos digitais no setor imobiliário ganham escala na pandemia

Marcia de Chiara

15 de dezembro de 2020 | 05h00

Os contratos digitais ganharam importância inédita na pandemia. Os contratos de venda de um loteamento com 1,2 mil unidades em Cotia (SP), da incorporadora Lote 5, por exemplo, estão sendo feitos de maneira 100% digital. A economia é de quase 200 mil folhas de impressão e até R$ 1,2 milhão com autenticações, reconhecimentos de firmas, deslocamentos e serviços de despachantes.

Ferramenta. Segundo a advogada de direito imobiliário que assessorou a operação, Kelly Durazzo, assinar digitalmente a transferência de imóveis é uma realidade desde o início da pandemia, mas a larga escala comercial só foi possível após um acordo para a criação de uma assinatura digital mais barata. A assinatura digital custa R$ 49,90, tem validade de três meses e será paga pela loteadora.

Contato: colunadobroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

#imobiliário

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.