Controladores e diretoria do Magalu vendem R$ 120 mi em ações em maio

Controladores e diretoria do Magalu vendem R$ 120 mi em ações em maio

Fernanda Guimarães

19 de junho de 2020 | 21h24

 

Os controladores e a diretoria do Magazine Luiza venderam, em maio, mais de R$ 120 milhões em ações da companhia. A movimentação em torno dos papéis da queridinha do mercado chamou a atenção, mas o motivo para a venda é nobre: parte do dinheiro bancará as doações feitas pela família Trajano para o combate à covid-19. A maior parte das vendas foi feita pela diretoria – seis dos integrantes têm parte da remuneração atrelada a ações. Dois membros são da família, Frederico, o presidente, e Fabrício Bittar Garcia, vice-presidente comercial e de operações. Por isso, a venda por parte da diretoria foi maior.

Em alta. Em abril, tanto controladores quando a diretoria já tinham vendido papéis em bolsa. É um momento positivo para oferecer os papéis ao mercado: o Magalu passou ao largo da crise, em 2020, as ações subiram mais de 46%. No fim do ano passado, o Magalu fez uma oferta de ações, uma emissão subsequente, de quase R$ 5 bilhões, sendo que R$ 400 milhões foram vendidas pela família Trajano. Na oferta, quando o mundo vivia outro contexto e as perspectivas para o Brasil eram de crescimento, a ação foi precificada em R$ 43. Hoje, está em mais de R$ 67.

Do bem. No início da pandemia, a família Trajano doou R$ 10 milhões, destinados à compra de respiradores artificiais para leitos de UTI, equipamentos cardíacos, colchões e travesseiros para equipar abrigos para moradores de rua, e na ajuda financeira a hospitais públicos e ONGs. Em cerca de dez dias, outra doação da família deverá ser anunciada. Procurado, o Magalu não comentou.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.