Corretoras pedem benção ao BC para oferecerem serviços de bancos

Corretoras pedem benção ao BC para oferecerem serviços de bancos

Coluna do Broadcast

20 de agosto de 2019 | 05h00

De olho na concorrência com as fintechs e nas oportunidades de novos negócios com a entrada de um crescente número de investidores no mercado financeiro, as corretoras pedem ao Banco Central permissão para ampliar seu escopo de atuação. Além de intermediar investimentos, elas querem realizar transferência de recursos e de pagamentos para seus clientes, como já fazem as fintechs que têm uma regulação própria da autoridade monetária para prestar tais serviços. A queixa das corretoras é de que, além de um escopo de atuação comparativamente restrito, enfrentam exigências frente ao regulador maiores do que as das fintechs, como os limites de patrimônio para operar no mercado.

Muda tudo

O Banco Central, por sua vez, está atento à reclamação das corretoras. Uma possibilidade que se comenta no mercado é a de o regulador aproveitar alterações que estuda nesse momento relacionadas à regulação das corretoras e das distribuidoras de valores. Como na prática as corretoras exercem funções das distribuidoras, o BC discute internamente a unificação das duas regulamentações.

Em números

O mercado brasileiro já conta com 700 fintechs, das quais mais de 200 operam com crédito, arena até então exclusiva dos grandes bancos. O BC passou a regular essas instituições em abril de 2018 e em pouco mais de um ano quatro delas foram autorizadas a operar pelo regulador. Procurado, o Banco Central não comentou.

 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

corretorasBancos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.