Covid-19 deflagra corrida por inovação entre empresas brasileiras

Covid-19 deflagra corrida por inovação entre empresas brasileiras

Gabriel Baldocchi

08 de abril de 2021 | 05h10

Foto: Wilton Júnior/ Estadão

O esforço para encontrar soluções voltadas ao combate da pandemia gerou uma corrida de inovação por parte das empresas brasileiras. Em cerca de um ano, o número de projetos aprovados sobre o tema pela agência de fomento Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) já representa 34% do total das novas tecnologias apoiadas pela entidade na área da saúde desde a sua criação, em 2013. Nesse período, foram 178 projetos no segmento, com R$ 150 milhões em recursos disponibilizados para pesquisa e inovação em 141 empresas.

As regras para utilização da verba disponível à iniciativa privada foram flexibilizadas diante da urgência da pandemia. Um dos projetos apoiados já concluídos foi a produção nacional de um pulmão artificial para pacientes de covid-19, a chamada Ecmo (oxigenação por membrana extracorpórea). A técnica ganhou visibilidade ao ser empregada no tratamento do ator Paulo Gustavo. Houve também a criação nacional de um novo tipo de ventilador pulmonar inspirado num produto da Nasa (agência espacial norte-americana).

Criada em 2013, a Embrapii é uma agência pública de fomento à inovação financiada com verbas dos ministérios de Ciência e Tecnologia, da Educação e da Saúde. A instituição oferece parte do valor total do projeto da empresa que deseja inovar. Ao todo, já foram disponibilizados R$ 1,5 bilhão a mais de 1.000 projetos de tecnologia na iniciativa privada.

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 7/04, às 18h01.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

saúdeinovaçãocovid

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.