Cresce número de gestoras com fundos voltados à geração de energia renovável

Cresce número de gestoras com fundos voltados à geração de energia renovável

Wilian Miron e Cynthia Decloedt

06 de setembro de 2021 | 19h01

Entre projetos apoiados, estão os de geração eólica / Foto: Werther Santana/Estadão

 

Com a crise energética do País, um crescente número de gestoras está captando recursos, por meio de fundos, para investir em projetos de geração de energia com fontes renováveis. A Apolo Asset, por exemplo, levantou R$ 95 milhões em um fundo de investimento em participação (FIP) que irá financiar 30 usinas solares fotovoltaicas em Minas Gerais.

Além da Apolo, a Bolt Energy, que atua no mercado livre de energia, estruturou um fundo para captar R$ 300 milhões para projetos de geração solar, eólica e em Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs). No início do ano, a Órigo, que atua em geração distribuída (GD), captou R$ 184 milhões financiar usinas solares. Os recursos foram conseguidos por meio da venda de recebíveis de longo prazo para o Green FIDC Solar GD Socioambiental. Mais recentemente, a empresa fez uma parceria com a norueguesa Norsk para a construção de 12 empreendimentos deste tipo, com investimento estimado em R$ 150 milhões.

Projetos são voltados a pequenos e médios consumidores

Esses projetos pretendem atender o mercado de geração distribuída, voltado a pequenas e médias empresas próximas ao ponto de geração. O custo pode ficar de 20% a 30% abaixo da energia convencional.

Além do potencial de demanda, dado o custo e a crise hidrológica, o mercado de GD tem chamado a atenção e ficou aquecido, com o destravamento do marco legal do segmento. Entre outros benefícios, ele dá subsídios aos empreendimentos implantados até 2045.

As 30 usinas a serem investidas pelo fundo da Apolo têm potencial de geração de 100 megawatts-pico (Mwp) e receberão aporte total de R$ 500 milhões. O restante dos recursos deverá vir de empréstimos bancários e do mercado de capitais. Este é o primeiro fundo da gestora, que faz parte da Apolo Energia, holding na qual estão uma comercializadora e a empresa responsável pela estruturação e gestão de energia renovável e que responde pelas 30 usinas, entre outras.

 

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia06/09/2021, às 09:04:00 .

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

Apolo AssetBolt Energyfidc

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.