De olho em abertura de capital, Captalys diversifica com plataforma de crédito para o pequeno varejo

De olho em abertura de capital, Captalys diversifica com plataforma de crédito para o pequeno varejo

Cristiane Barbieri

03 de dezembro de 2019 | 04h04

Margot Greenman, presidente e cofundadora da CaptalysMaior empresa de tecnologia e gerenciamento de crédito privado do País, a Captalys está lançando sua própria plataforma de empréstimos para varejistas, a Tomático. Por meio de um site, pequenos comerciantes podem pedir o crédito online e receber a resposta, em média, em sete minutos. A iniciativa é uma nova frente de negócios da empresa, que já emprestou R$ 50 bilhões nos últimos dez anos e tem como horizonte a abertura de capital em 2021.

Leia também: ‘Uberização’ do crédito cresce fora dos bancos

Desenhados especificamente para o pequeno varejo, a plataforma permite a customização dos empréstimos. Ao contratar o financiamento, o dono da padaria ou da farmácia sabe, por exemplo, exatamente quanto pagará pelo dinheiro. Um empréstimo de R$ 10 mil, por exemplo, pode custar R$ 500 (o custo varia de acordo com o perfil do tomador). Mas não há parcelas nem prazo para efetuar o pagamento. O valor é descontado conforme o fluxo de caixa do comerciante, dependendo da sazonalidade do negócio, sem emissão de boletos.

“Tínhamos várias ferramentas em nossa plataforma que não são usadas por nossos clientes e resolvemos fazer um produto próprio”, diz Margot Greenman, presidente e cofundadora da Captalys. Entre as empresas que usam a infraestrutura da Captalys estão Mercado Livre, Bunge, PayPal, Pague Veloz, a fabricante de alimentos Enova e a de fretes CargoX. A estrutura agora está disponível para ser customizada para companhias que quiserem oferecer produtos semelhantes.

Veja também: Legislação cria o ‘banqueiro individual’

Com a estrutura sendo montada há três anos e operando em formato de testes há 12 meses, a Tomático tem em sua base cerca de 400 clientes. Numa pesquisa realizada com eles, foi constatado que metade buscava dinheiro para capital de giro e que o próprio dono é quem toma o recurso. “Por isso, é preciso ser o mais simples possível”, diz Margot.

No período, o Tomático emprestou em torno de R$ 20 milhões, com taxa de renovação do crédito de 88%. A Captalys estima que o mercado potencial é de R$ 1,2 trilhão. Agora, a empresa pretende partir para uma divulgação maior do plataforma.

Acompanhe: XP lança área voltada a empresas

Durante os testes, o principal problema percebido pela empresa não foi com inadimplência, mas sim com fraudes. Há criminosos especializados em roubar a identidade de pequenos empreendedores e abrir contas em bancos digitais, para pegar empréstimos. A solução, então, foi passar a aceitar apenas contas dos cinco maiores bancos. “O período serviu para entender a dinâmica desse mercado e aprimorar o produto que serve a esse público”, afirma Margot.

Saiba mais: Nubank cria entra no setor corporativo com conta para pequenas empresas

Para Michael Viriato, professor de finanças do Insper, a tendência de crescimento na desintermediação do crédito passa por um aprendizado conjunto entre investidores, tomadores e plataformas que democratizam o acesso aos recursos. “O bom da economia estar fraca é que a demanda (por crédito) não é muito grande e os riscos são menores”, afirma.

Por trás da iniciativa, a Captalys avança em seu plano de abrir capital. Atualmente, a companhia tem R$ 11 bilhões em ativos de crédito em sua plataforma. “Sempre buscamos áreas para expansão e queremos inovar trazendo novos produtos que criem oportunidades de crédito bem desenhado, sustentável e que traga bom retorno para o investidor”, diz Margot, sem detalhar os planos para a abertura de capital. “Existe uma lacuna no mercado de crédito brasileiro e vamos tentar ocupar esse espaço.”

Notícia publicada no Broadcast dia 26/11/2019, às 06:30:31

Contato: colunabroadcast@estadao.com
Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

créditoCaptalys

Tendências: