De olho em jovens, Ativa monta carteira de empresas social e ambientalmente responsáveis

De olho em jovens, Ativa monta carteira de empresas social e ambientalmente responsáveis

Cynthia Decloedt

15 de dezembro de 2019 | 05h41

 

De olho na demanda dos jovens por empresas com estratégias de responsabilidade ambiental, social e de governança, a corretora Ativa Investimentos resolveu aplicar os Princípios de Investimento Responsável (PRI), criados pela Organização das Nações Unidas (ONU). O critério será adotado a uma carteira de ações com métricas de sustentabilidade, baseada no ISE, índice da B3 com esse viés. A corretora quer ser referência no mercado de aplicação dos critérios ESG nos investimentos em ações da casa e espera com isso ampliar de 21% para 35%, já em 2020, a participação de jovens até 30 anos no total de ativos sob gestão.

À fundo. A carteira da Ativa baseada no ISE tem hoje cinco ações e a expectativa da corretora é incorporar outras cinco com o filtro ESG, olhando para empresas mais comprometidas com esse aspecto, numa aposta de que terão maior rentabilidade no futuro.

Rentabilidade. Até dezembro, a carteira da Ativa, composta por Lojas Renner, Americanas, Itaú Unibanco, Energias do Brasil e TIM, acumula rentabilidade de 38%, um pouco acima do Índice ISE, de 32%. A Ativa Investimentos tem R$ 6,5 bilhões em ativos sob gestão.

Tendência. Os princípios ESG tem ganhado relevância nos investimentos no mundo e no Brasil e já fazem parte da realidade de investidores institucionais, como fundos de pensão e seguradoras.

 

Notícia publicada no Broadcast no dia 13/12/2019, às 11:35:09

Contato: colunabroadcast@estadao.com
Siga a @colunadobroadcast no Twitter

 

Tudo o que sabemos sobre:

AtivaISEsustentabilidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: