Desova de crédito podre por bancos e lojas pode chegar a R$ 40 bi em 2021

Desova de crédito podre por bancos e lojas pode chegar a R$ 40 bi em 2021

Cynthia Decloedt

05 de agosto de 2021 | 05h30

Foto: Fabio Motta/Estadão

A inadimplência trazida pela pandemia está batendo na porta de investidores especializados na aquisição de créditos com problemas. A estimativa de instituições e empresas que vendem e compram esse tipo de dívida, ouvidas pela consultoria Deloitte, é de crescimento de 50% no volume transacionado este ano, em comparação a 2020, – e envolverá a R$ 33 bilhões. Porém, o número pode chegar a R$ 40 bilhões, já que algumas casas ficaram de fora na pesquisa.

Além do montante maior, outras consequências da pandemia são percebidas na pesquisa. Ao lado dos bancos, as varejistas aparecem entre as que mais venderam carteiras de crédito “podre” este ano e, em sua grande maioria, de pessoas físicas.

Fintechs também devem vender carteiras “podres”

O sócio da Deloitte, Luís Vasco, afirma que as varejistas vêm sofrendo com a inadimplência e perceberam que podem fazer caixa com a venda desse crédito. Para ele, o valor total das carteiras vendidas deve ser ainda maior em 2022, com bancos, varejistas, financeiras e fintechs adotando a prática.

A projeção de R$ 33 bilhões em carteiras a serem vendidas não corresponde, entretanto, ao valor que efetivamente será negociado. Como são empréstimos que os devedores não conseguiram pagar, essas carteiras são vendidas com desconto. Assim, a expectativa das casas que compram esses créditos é de que gastem R$ 6,2 bilhões este ano, acima dos R$ 4,4 bilhões pagos por carteiras inadimplentes em 2020.

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 04/08/2021, às 16h55.

Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:

crédito podredeloittevarejistaspandemia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.