Do Rio para Miami, Urca Capital aposta em fundo de aluguéis nos EUA

Do Rio para Miami, Urca Capital aposta em fundo de aluguéis nos EUA

Ernani Fagundes

19 de novembro de 2020 | 05h05

A gestora de recursos Urca Capital Partners – especialista em fundos imobiliários com certificados de recebíveis imobiliários, os chamados CRIs – prepara para 2021 o lançamento de seu primeiro fundo de renda de aluguéis de imóveis nos Estados Unidos. O atrativo está no câmbio, pois o aluguel dos imóveis é originado em dólares, mas com o risco da volatilidade da moeda.

Pé no chão.  A proposta é captar no mínimo US$ 10 milhões, ou seja, pouco mais de R$ 50 milhões para aquisição de imóveis estratégicos na Flórida. Os aluguéis na região geram uma renda anual entre 6% e 6,5% ao ano, em dólar.

Para poucos.  Para dar viabilidade ao projeto, a Urca vai utilizar a estrutura de um fundo multimercado de investimento ao exterior (IE), o que pela regra atual da CVM só é voltado para milionários, os chamados investidores qualificados.

Pulo do gato.  Mas o multimercado IE é só o primeiro passo, a inovação da Urca será depois listar o fundo na B3, com cotas negociadas para um público maior, conforme avanços recentes na regulação da xerife dos mercados.

Oferta na praça.  Entre os demais projetos, a gestora carioca liderada pelo sócio-fundador Leonardo Nascimento planeja uma oferta de R$ 75 milhões de seu fundo de papéis imobiliários Urca Prime Renda FII (URPR), que já é negociado na B3.

Minha casa, minha dívida.  Em outra frente, a Urca Capital prepara um fundo de crédito que financia mutuários no pagamento da entrada dos imóveis por 5 anos. É um investimento de maior risco, pois o imóvel não fica em garantia para o fundo.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: