Doenças infecciosas são o maior risco à economia global, a curto prazo

Doenças infecciosas são o maior risco à economia global, a curto prazo

Fernanda Guimarães

24 de janeiro de 2021 | 05h05

Shopping em tempos de covid-19. Crédito da Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Shopping em tempos de covid-19. Crédito da Foto: Tiago Queiroz/Estadão

A propagação de novas doenças infecciosas, como a covid-19, é o fator de maior risco para a economia mundial, na opinião de 58% dos 650 especialistas e tomadores de decisão ouvidos no 16ª do Relatório de Riscos Globais 2021, produzido pelo Fórum Econômico Mundial. Conforme o relato, a proliferação de doenças como a que causou a atual pandemia pode abalar a estabilidade geopolítica e agravar a desigualdade social nos próximos dois anos.

Tem peso. O relatório é preparado em parceria com a consultoria de riscos Marsh McLennan, a seguradora Zurich e as universidades de Oxford, Cingapura e Pensilvânia, o que contribui para a abrangência global da enquete.

Digital. Dos entrevistados, 53% citaram os riscos de colapso da infraestrutura de Tecnologia da Informação para o médio prazo (três a cinco anos). Eventos climáticos extremos também estiveram entre as preocupações apontadas para os próximos dois anos, para 52,7% dos ouvidos.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.