Easynvest se prepara para ter conta de pagamentos a partir de 2021

Easynvest se prepara para ter conta de pagamentos a partir de 2021

André Ítalo Rocha

30 de setembro de 2020 | 05h15

Foto: Pedro Moleiro/Easynvest/Divulgação

A Easynvest, corretora que se popularizou como uma plataforma digital de investimentos e se lançou no mercado de crédito na semana passada, se prepara para também ter contas de pagamentos. A ideia é que o projeto saia do papel em 2021, após a companhia receber autorização do Banco Central (BC) para operar como uma Sociedade de Crédito Direto (SDC). O pedido foi feito em agosto e a expectativa é que a aprovação saia em seis meses.

Atalho. O caminho para começar a ter uma conta de pagamentos, contudo, pode ser encurtado com a chegada do Nubank, que anunciou a compra da corretora há duas semanas e já oferece essa funcionalidade a seus clientes.

Libera geral. O novo produto ajudaria a Easynvst a oferecer valores menores de empréstimo. Hoje, o limite mínimo é de R$ 1 mil. A corretora não consegue emprestar menos porque tem um custo de R$ 5 nos boletos emitidos para as parcelas das dívidas. Em um empréstimo de R$ 100, por exemplo, dividido em 36 meses, cada parcela sairia por R$ 3. Não pagaria nem o custo do boleto. Com a conta de pagamentos, o cliente pagaria a parcela da dívida no débito, liberando a corretora de emprestar qualquer valor abaixo de R$ 1 mil.

Faz tudo. A entrada da Easynvest no mercado de crédito e o plano de lançar uma conta de pagamentos fazem parte de um movimento das fintechs para competirem com os bancos, em um esforço de diversificação de negócios e centralização da vida financeira do cliente em uma único lugar. Os bancos, enquanto isso, tentam se parecer mais com as fintechs, digitalizando a experiência dos clientes.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:

eaynvestconta digital

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.