Einstein é sondado para fazer segunda emissão de CRIs

Einstein é sondado para fazer segunda emissão de CRIs

Coluna do Broadcast

30 Janeiro 2019 | 04h00

O Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE) está sendo sondado por bancos de investimento para fazer uma segunda emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), lastreado pelo seu Centro de Ensino e Pesquisa, que está sendo construído em São Paulo. Em agosto do ano passado, o HIAE emitiu R$ 400 milhões, com vencimento em sete anos, pagando 97% do CDI. Desta vez, o valor será de R$ 200 milhões.

Arbitragem. Agora, o desafio é chegar a um preço que faça sentido e com custos totais que fiquem próximos aos 100% do CDI, como a emissão anterior. Com o balanço confortável, o Einstein diversifica seus investimentos com seis assets, sendo que os ganhos financeiros são uma parte importante da sustentabilidade da entidade.

Interessados. Projetado pelo arquiteto israelo-americano Moshe Safdie, que participou do museu do Holocausto, o prédio que dá suporte aos CRIs abrigará os alunos da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein e custará R$ 650 milhões. O hospital também vem conversando com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a International Finance Corporation (IFC) do Banco Mundial e o US Exim-Bank, o banco de fomento norte-americano, que também estão interessados no projeto.

Hospital 2.0. Além disso, o Hospital Albert Einstein tem expectativas de avançar na prestação de serviços para empresas, com a regulamentação da telemedicina, esperada para ser anunciada dia 7 de fevereiro. Hoje, o hospital presta serviços à Petrobrás, mas há um grande mercado de companhias com operações remotas a ser atendido. Procurado, o HIAE não se manifestou até a publicação desta nota. (Cristiane Barbieri)

Siga a @colunadobroad no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem o delay assine o Broadcast+

Mais conteúdo sobre:

saúdeCRI