Em busca de um valor de mercado de R$18,4 bi, Neoenergia inicia investor education nesta semana

Em busca de um valor de mercado de R$18,4 bi, Neoenergia inicia investor education nesta semana

Coluna do Broadcast

19 de maio de 2019 | 05h39

A Neoenergia iniciará na próxima semana as apresentações aos investidores – no jargão de mercado, o “investor education” – para sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). A empresa tenta emplacar no IPO um valor de mercado de R$ 18,4 bilhões. Será nesse momento que a companhia baterá o martelo sobre o preço que tentará emplacar seu IPO. A intenção é de que a oferta fique para o fim do próximo mês, cronograma mantido, até aqui, mesmo com o aumento da volatilidade no mercado.

Retrovisor. O histórico da participação da Neoenergia em diversos leilões de transmissão, e o fato de ter entrado na guerra de preço para a aquisição da Eletropaulo no ano passado, são apontados entre potenciais investidores como fatores que devem pesar na avaliação da companhia. No entanto, fontes próximas da operação defendem que a empresa é disciplinada em sua alocação de capital, e exatamente por isso não seguiu em frente na briga pela Eletropaulo quando o preço atingiu um nível mais elevado. Além disso, participou dos leilões respeitando a rentabilidade de cada ativo. A avaliação, ainda, é de que o fato dos investidores pedirem à empresa a realização de uma oferta primária, que é aquela em que o dinheiro vai para o caixa, prova que há confiança em relação à alocação de capital pela companhia.

No sapato. A atenção do mercado também está no “re-IPO” da CPFL, ou o relançamento da companhia na Bolsa, que deve trazer forte competição para a emissão da Neoenergia. A CPFL, da chinesa State Grid, deve lançar sua oferta no início de junho, ou seja, antes da concorrente. A favor da CPFL está o fato de já ser listada, apesar de ter hoje pouca liquidez, e apenas um acionista controlador, ao contrário da Neoenergia.

Experiência. Quando tentou abrir seu capital em dezembro de 2017, a Neoenergia não foi flexível no preço almejado para seu IPO e a oferta não emplacou. Na época pesou contra, ainda, a disputa que enfrentou com outras duas ofertas, a da BR Distribuidora e a do Burger King, que tiveram elevada demanda no mercado. Procurados, Banco do Brasil e Neoenergia não comentaram.

Contato:colunabroascast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem o delay assine o Broadcast+

Tendências: