Em meio à crise, operadoras de telefonia elevam preços de SMS a empresas

Em meio à crise, operadoras de telefonia elevam preços de SMS a empresas

Fernanda Guimarães

21 de junho de 2020 | 05h30

Diante da quarentena que obrigou as empresas a acelerarem estratégias digitais e o e-commerce, o envio de mensagens SMS aumentou. Com o uso quase que exclusivamente corporativo, por conta da disseminação do WhatsApp entre as pessoas físicas, os SMS dispararam também em termos de preços. O valor do tráfego de SMS A2P (Application to Peer) subiu entre 15% e 35%.

Surpresa! Os comunicados, informando sobre o reajuste, começaram a ser recebidos pelas empresas no início de junho. Os documentos também informaram que outros aumentos estão previstos. A Vivo informou “que segue as condições comerciais definidas em contratos individuais firmados com clientes que são revendedores de SMS. Entre essas condições, os contratos preveem o reajuste anual do serviço no mês de abril”. Diz, ainda, que por conta da pandemia postergou o reajuste, que passou a vigorar em junho. Tim também destacou que  “pratica sua política de preços do serviço de SMS A2P conforme previsto em acordo estabelecido entre as partes”. A Oi não comentou.

Em massa. O tráfego global de SMS deverá crescer 7% em 2020, para 3,5 trilhões de mensagens, segundo estudo da Juniper Research. A pesquisa prevê que a pandemia deve gerar aumento de SMS em setores como os de saúde e órgãos governamentais em 2020. Aponta, ainda, que serviços financeiros e varejo online devem responder por mais de 25% de todo o tráfego de SMS em 2020.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.