Escritórios de agentes autônomos vivem onda de expansões

Escritórios de agentes autônomos vivem onda de expansões

Aramis Merki II, Bruna Camargo e Karla Spotorno

06 de agosto de 2022 | 10h00

Foto: Fabio Motta/Estadão

O volume alto do rock e da música pop onipresentes na ExpertXP compôs o cenário de euforia nos corredores lotados da feira de investimentos da XP nesta semana. Nos estandes dos 25 escritórios de agentes autônomos (AAIs) patrocinadores, a batida também era de festa. Além de festejar a reunião de dezenas de assessores de filiais de diferentes Estados após duas edições online da ExpertXP, as assessorias tinham novidades para contar. Apesar de a projeção de crescimento do PIB brasileiro ser inferior a 2% neste ano e seguir decaindo para 2023, sócios de alguns dos maiores escritórios relataram os resultados recentes dos planos de expansão ao Broadcast Investimentos e a perspectiva de que os próximos meses serão melhores.

A Faros Private Investimentos conseguiu, em pouco mais de um ano e meio, triplicar o total sob assessoria na filial em Belo Horizonte. O escritório mineiro, que resultou da maior fusão na rede XP, passou de R$ 1,5 bilhão no fim de 2020 para os atuais R$ 8 bilhões sob custódia, segundo Samy Botsman, sócio e presidente executivo da empresa. No total, a Faros, eleita a melhor assessoria da XP nesta semana, tem um total de R$ 26 bilhões. Agora, a empresa está focada em criar a estrutura para virar corretora, enquanto aguarda a autorização por parte do Banco Central (BC).

A Nexgen Capital contou que pretende chegar a 10 novas localidades em 18 meses. Para dar um pontapé nesse plano, o escritório – com sede em Goiânia, R$ 3 bilhões sob assessoria e 3 mil clientes – inaugura uma filial em Rio Verde (GO) em setembro. Quatro profissionais já foram contratados para o time comercial, segundo o sócio-fundador e diretor executivo da Nexgen, Daniel de Paula.

Cenário volátil

Com a recente marca de R$ 20 bilhões sob assessoria, a Blue3 Investimentos anunciou a abertura de uma unidade em Campinas (SP). A meta do escritório agora é bater R$ 100 bilhões na carteira nos próximos cinco anos – ou menos, dado o otimismo de Wagner Vieira, CEO da Blue3. “As eleições [presidenciais no Brasil] criam um suspense e as bolsas estão voláteis, mas os números brasileiros estão bons, veja o Caged, por exemplo. Estamos ‘sentindo um cheiro’ de que as coisas estão melhorando e estamos muito otimistas com o segundo semestre”, comentou.

Para Fernanda Della Monica, sócia e head comercial do mineiro 3A Investimentos, “momentos de volatilidade de mercado sempre vão acontecer, mas um bom escritório vai se comunicar com o cliente e montar carteiras que conseguem tirar o melhor de cada situação”. Com isso, o otimismo predomina e a 3A viu a chance de expandir sua sede em Belo Horizonte para acomodar clientes e assessores que buscam fazer negócios no conforto de um espaço com café e pão de queijo. O resultado poderá ser visto nos próximos meses.

Já o capixaba Golden Investimentos está dobrando de tamanho no Rio de Janeiro, onde chegou em março do ano passado. A ampliação do espaço físico vai ser acompanhada pelo aumento da equipe – hoje com oito profissionais na capital fluminense – e com a meta de chegar a R$ 1 bilhão sob assessoria, segundo o diretor de expansão da empresa, Silvio Aride. O executivo acrescenta que há também o plano de chegar a São Paulo e Belo Horizonte por meio de aquisições.

A Manchester Investimentos, de Santa Catarina, está ampliando o escritório em São Paulo e, além disso, trouxe Camila Pereira de Curitiba para comandar a filial paulistana. Lucas Pereira, que liderava a operação na cidade, passa a atuar exclusivamente como líder de expansão do escritório.

Clima de festa e expectativa por recordes

Corredores cheios, profissionais circulando com tote bags (bolsas de pano no estilo sacola) que estampavam a marca dos diversos estandes, conversas tentando se sobrepor à música alta, aplausos e até assobios – ouvidos durante a palestra do ministro da Economia, Paulo Guedes – vindos do auditório principal marcaram os dias de Expert XP, evento que reuniu aproximadamente 30 mil pessoas, segundo a XP.

Para Gustavo Pires, sócio e head da área de Asset Management Services da XP, a lista de patrocinadores da feira, realizada na São Paulo Expo, mostra um amadurecimento do mercado. Pires lembra que, nas primeiras edições, o maior número de estandes não era de gestoras de fundos de investimentos. Era de seguradoras. Pires entende que, diferentemente do passado, a diversificação do passivo – ou seja, dos cotistas dos fundos – alimenta a necessidade de as gestoras se exporem mais. Entre os patrocinadores, mais de 100 gestoras entre brasileiras e multinacionais estavam representadas.

Para os escritórios de investimentos, o balanço do evento deve ser observado dentro de algumas semanas. “O mês da Expert sempre tem algum recorde de abertura de contas e de captação”, conta Vieira, da Blue3.

Talvez isso se some aos motivos que justificam o clima de festa no final do dia, quando as latinhas de água na mão passavam a dar lugar às de cerveja, colegas reuniam-se para selfies em frente ao logo da XP e, por que não, executivos abraçavam-se para uma sessão de karaokê improvisada ao som de “Boate Azul”. Todos já na expectativa para 2023.

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 05/08/2022, às 16:49.O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse. 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

 

Tudo o que sabemos sobre:

escritórioagentes autonônomosXPxpexpert

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.