Fabricantes de alumínio engrossam coro contra bancos

Fabricantes de alumínio engrossam coro contra bancos

Cristiane Barbieri

09 de abril de 2020 | 05h00

 

 

 

 

 

 

Os fabricantes de alumínio são mais um setor produtivo a engrossar o coro de descontentes contra os bancos, na epidemia de coronavírus. Depois das varejistas e das incorporadoras imobiliárias, a Associação Brasileira do Alumínio (Abal) vem a público reclamar dos altos custos dos empréstimos, na hora em que as empresas mais precisam de liquidez.

Proteção. No setor do alumínio, a situação é especialmente dramática entre os extrusores, a maioria formada por empresas de porte médio, que respondem por um terço do metal consumido no País. Se a dificuldade de crédito persistir, mais de 100 empresas do segmento correm o risco de quebrar, segundo a Abal. Para Milton Rego, presidente executivo da entidade, “a postura do setor financeiro me lembra uma definição precisa de Mark Twain: ‘Um banqueiro é o sujeito que empresta o seu guarda-chuva quando o sol está brilhando e quer de volta no instante que começa a chover'”.

Com a palavra. A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) disse, por meio de nota, que os bancos estão “totalmente sensibilizados com a necessidade de os recursos chegarem rapidamente na ponta e continuarão agindo com foco para que o crédito seja dado nas mãos das pessoas físicas e das empresas”.

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Quer saber mais sobre o Broadcast? Fale conosco

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:

alumínioabalBancos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: