Falta de acordo por aviões pode afastar Azul da Avianca

Falta de acordo por aviões pode afastar Azul da Avianca

Coluna do Broadcast

28 de março de 2019 | 04h00

A atual proposta da Azul pela Avianca pode subir no telhado, pelo menos em seu atual modelo. Isso se a companhia aérea em recuperação judicial não conseguir chegar rapidamente a um acordo com os arrendadores de aeronaves. A informação é do advogado da Azul, que participou de audiência na Vara de Falências em São Paulo, onde a Avianca tentou negociar uma saída “amigável” para uma briga que corre paralelamente à recuperação judicial: a devolução de aeronaves. Com o “não” dado na quarta-feira pelos arrendadores à proposta da Avianca, de liberar os aviões somente a partir de 15 abril, o entendimento da Azul é de que a situação se complica. Os arrendadores exigiram da Avianca a quitação dos mais de R$ 500 milhões em compromissos atrasados para começar a negociar.

Importância. O peso dos arrendadores nas negociações está no fato de que a Azul se propõe a adquirir uma Unidade Produtiva Isolada (UPI), com contratos de leasing de 28 aeronaves e 70 pares de slots. Ou seja, se as negociações da Avianca com arrendadores terminarem mal, a UPI poderia ficar esvaziada. A Azul por sua vez, tem conversado com os arrendadores sobre o futuro, mas deixa claro que não vai assumir qualquer dívida da Avianca.

Siga a @colunadobroad no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem o delay assine o Broadcast+

Mais conteúdo sobre:

aviancaazul