Fazenda quer substituir  penhora da CSN por dinheiro

Fazenda quer substituir penhora da CSN por dinheiro

Economia & Negócios

29 Agosto 2018 | 04h00

O acordo negociado entre a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e o Bradesco para o alongamento da dívida da empresa saltou aos olhos da Fazenda Nacional. Conforme o acertado entre CSN e a instituição financeira há cerca de 10 dias, a siderúrgica se comprometeu a distribuir dividendos no intuito de prover caixa para uma das holdings da família Steinbruch, que é acionista da empresa. Com tais recursos, a holding teria munição para arcar com parte da dívida detida junto ao Bradesco. Isso porque o banco atrelou o alongamento do débito da empresa ao pagamento de parte desses vencimentos. Tendo em vista esse desenho, a Fazenda Nacional decidiu entrar na Justiça para trocar a execução de penhora de bens móveis, em uma execução fiscal, por dinheiro. A decisão da 10.ª Vara de Execuções Fiscais da Justiça Federal de São Paulo foi de impedir o pagamento de dividendos, que ocorreria no dia 30 de agosto, no valor de R$ 890 milhões. A CSN prometeu recorrer.

Subiu no telhado. Esse impedimento judicial, na outra ponta, já afeta as conversas com o Bradesco. Tal bloqueio, se mantido, obrigará a CSN a sentar novamente com seu credor para mudar o perfil de seus vencimentos. A CSN não comentou.

Siga a @colunadobroad no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos as notícias em tempo real