Fundo de aluguel residencial baixa captação mínima para atrair investidor

Circe Bonatelli

24 de dezembro de 2019 | 04h26

FOTO DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO

Diante da demanda muito abaixo do esperado, o Fundo de Investimento Imobiliário (FII) Housi – baseado em apartamentos para aluguel, uma novidade do setor – decidiu reduzir a captação mínima de R$ 150 milhões para R$ 50 milhões e prorrogou por um mês o prazo de investidores para subscrições. Na semana passada, a Coluna do Broadcast antecipou que o fundo não havia atingido a captação mínima e que iria divulgar um novo cronograma.

Dúvida. Mesmo que a indústria de fundos imobiliários esteja deslanchando, neste caso os investidores têm comentado nos bastidores que há dificuldade em precificar o FII Housi, que lida com uma nova classe de ativos. Uma dúvida, por exemplo, se refere ao nível de locação e renda a ser projetado para os imóveis. O FII tem a Easynvest como coordenador líder e a Vortx como administrador. Se a captação for concluída, o dinheiro será usado para compra de imóveis operados pela Housi, plataforma de aluguel de apartamentos criada como cisão da incorporadora Vitacon, do empresário Alexandre Frankel.

Notícia publicada no Broadcast dia 23/12/2019, às 14:58:31

Contato: colunabroadcast@estadao.com
Siga a @colunadobroadcast no Twitter

 

Tudo o que sabemos sobre:

fundo imobiliário

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.