Fundo investidor do Hotel Fasano Trancoso apura conduta de ex-gestor

Fundo investidor do Hotel Fasano Trancoso apura conduta de ex-gestor

Gabriel Baldocchi

23 de dezembro de 2021 | 05h15

Foto: Pedro Sibahi

Cotistas do fundo investidor do hotel de luxo Fasano Trancoso, na Bahia, se uniram para apurar suspeitas na conduta do ex-gestor. Uma auditoria deve se debruçar sobre laudos de avaliação usados pela Phenom Capital em aportes de capital feitos no passado que teriam beneficiado indiretamente Igor Elias, sócio da gestora. O hotel está previsto para ser inaugurado até o final do ano e é uma parceria do Fasano com o grupo Bahia Beach. O projeto contempla ainda um residencial de alto padrão, numa área combinada de cerca de 300 hectares, o equivalente a mais de 400 campos de futebol.

O grupo de cotistas que se mobilizou é formado por fundos de pensão municipais que aportaram recursos no projeto por meio de um FIP (Fundo de Investimento em Participação). Ao todo, foram levantados cerca R$ 150 milhões de institutos ligados às prefeituras. Eles alegam conflito de interesse de Elias, com atuação por meio de diferentes empresas – a Phenom Capital, da qual era sócio, atuava como gestora e administradora do fundo – e questionam transações unilaterais, com valores superavaliados, que o teriam levado a assumir o controle do fundo sem desembolsar recursos.

Por meio de uma das suas empresas, Elias foi à Justiça para tentar reverter a decisão que considerou o conflito de interesse, mas não obteve sucesso. Um de seus argumentos é o de que sua posição estava prevista em regulamento. Ele também é investigado pela Polícia Federal pelo investimento no projeto de Trancoso, mas por meio de outro fundo, também composto por recursos de fundos de pensão municipais.

Procurados, Igor Elias e a Phenom não foram encontrados. A Bahia Beach Empreendimentos, responsável pela gestão do Fasano Trancoso, afirmou que questões referentes a um dos investidores do projeto não afetam o empreendimento. Segundo a empresa, o cronograma segue como planejado.

A JHSF havia sido procurada, mas não  enviou um posicionamento até a publicação da reportagem. Nesta quinta-feira, 23, a JHSF enviou uma nota informando que o Fasano foi contratado para ser o administrador de longo prazo do hotel. Afirmou também que o Fasano e sua controladora, a própria JHSF, não são investidores nem têm participação na administração ou sociedade do empreendimento. Diante disso, não possuem acesso ou informações sobre a relação entre os investidores do projeto. Na parte operacional, o Fasano está pronto para abrir suas portas na data prevista, dia 26.

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 22/12, às 18h04.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

disputa judicialTrancosoFasano

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.