Gol aguarda negociação com Boeing para decidir se emitirá debêntures

Gol aguarda negociação com Boeing para decidir se emitirá debêntures

Cynthia Decloedt e Cristian Favaro

13 de novembro de 2020 | 05h05

Fábio Motta/Estadão

A companhia aérea Gol estuda a possibilidade de seguir o modelo de capitalização da Azul, em que emitiu R$ 1,75 bilhão em debêntures, sem a participação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Recorrer ao banco de fomento era o modelo inicialmente esperado, que a ajudaria a levantar recursos para atravessar a crise causada pela pandemia. A decisão está, no entanto, condicionada ao resultado das negociações que a aérea mantém com a Boeing, envolvendo a aquisição de novas aeronaves Max. Se andarem bem, a Gol pode evitar as debêntures – por serem conversíveis em ações, ela causariam diluição no capital dos sócios.

Na mesa. Até aqui, a Gol conseguiu um acordo de indenização de US$ 412 milhões, por conta dos problemas dos aviões Max, que ainda precisam de aval das autoridades estrangeiras para voltar a voar. A Gol negocia os termos da aquisição de aeronaves da Boeing. As conversas, no entanto, ainda estão no começo e a Gol busca bom entendimento nos termos financeiros. Procurada, a Gol não comentou.

Vai ou não vai? A estimativa é que a FAA (agência de aviação civil dos Estados Unidos) autorize a volta do Max ainda este ano. Após o sinal verde da agência, as companhias devem, no entanto, levar ao menos um mês para avançar com a manutenção das aeronaves, o treinamento dos pilotos e começar a voltar a voar com o Max.

Mais forte. A necessidade de a Gol tomar novos recursos está também relacionada ao comportamento do mercado doméstico, no qual a companhia e a Azul têm a maior parte de suas operações. A Gol já opera com 60% de sua capacidade. As aéreas se beneficiam de uma demanda que ganhou relevância na pandemia, o anywhere office, com as pessoas viajando para fazer home office em lugares de férias, substituindo em parte as viagens corporativas.

Contato: colunadobroadcast@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:

golboeingdebêntures

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.