Governo decidirá em breve qual desconto máximo em pedágio da Nova Dutra

Governo decidirá em breve qual desconto máximo em pedágio da Nova Dutra

Amanda Pupo

14 de junho de 2020 | 05h12

FOTO SERGIO CASTRO/ESTADÃO.

Brasília, 14/06/2020 – Apesar da expectativa de entregar em breve os estudos da concessão da Nova Dutra ao Tribunal de Contas da União (TCU), o governo federal ainda não bateu o martelo sobre qual será o desconto máximo de pedágio que os interessados poderão oferecer na disputa pela rodovia. Segundo apurou a Coluna, o número deve ser definido nos próximos dias. O leilão da Dutra será feito no novo formato elaborado pelo governo, decidido pela menor tarifa, com limite no desconto, e lances de outorga para o desempate.

O modelo híbrido de leilão também será usado nas concessões da BR-153/414/080, entre Goiás e Tocantins, e na BR-381/262, entre Minas Gerais e Espírito Santo. O formato foi arquitetado pelo ministério como forma de tentar evitar fracassos como a 3ª rodada de leilões rodoviários, quando a média de deságio no valor do pedágio oferecido pelas vencedoras chegou à marca de 50%, mas as operações deixaram a desejar no cronograma investimentos.

Apesar de o valor ainda não ter sido definido para a Dutra, fontes que acompanham o processo já sabem que a porcentagem deve ser maior do que a da BR-153, que já foi enviada para o TCU com deságio máximo de 12%. O ponto é um dos últimos temas a serem resolvidos para o projeto da Dutra. A ideia é apresentar o projeto na Corte ainda em junho.

Novo modelo de concessão rodoviária enfrenta rejeição

O modelo híbrido, no entanto, ainda enfrenta resistências por parte de alguns setores. A Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga (Anut), por exemplo, é uma das que rejeitam o formato. Segundo o presidente da Anut, Luiz Henrique Teixeira Baldez, a entidade lutará contra ele porque o formato prejudica o usuário. Hoje, a Anut terá uma reunião com o governo para se atualizar sobre o estágio final do projeto.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: