Grupo de acionistas da BRF quer Tarpon fora

Grupo de acionistas da BRF quer Tarpon fora

Coluna do Broadcast

14 de maio de 2017 | 05h00

Um grupo de acionistas da BRF quer que a gestora Tarpon deixe a administração executiva da companhia. Pedro Faria, presidente da processadora de alimentos, é sócio-fundador da gestora, ocupa o cargo desde o fim de 2014 e teve seu nome apoiado por Abílio Diniz, hoje presidente do Conselho de Administração da BRF. A Tarpon chegou a ter 60% de seus recursos alocados na BRF. No fim de julho passado, Diniz apoiou, inclusive, a permanência de Faria no cargo. Neste mês, a gestora brasileira reduziu sua participação na BRF, de 11,9% para 8,5%, depois de Diniz e o fundo soberano de Cingapura (GIC) terem deixado de ser cotistas. A Tarpon diz que “se encerrou a vigência de um fundo gerido pela empresa que tinha como objetivo investir em ações da BRF”.

Maiores

Com a fatia do fundo em mãos, o GIC e Diniz ampliaram, por sua vez, as participações diretas na BRF. Na quinta-feira (11), a companhia de alimentos reportou um prejuízo, mas por conta do resultado no mercado doméstico, as ações responderam positivamente.
Permanência. BRF e Tarpon informaram que a Diretoria Executiva da BRF teve o seu mandato reconhecido pelo Conselho de Administração em reunião realizada no último da 27 de abril, dando continuidade à gestão da companhia. O mandato dos executivos vigora até 11 de julho de 2018, destacam as empresas.

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: