Guilherme Benchimol, da XP, vai à inauguração do ‘touro de ouro’ da B3

Guilherme Benchimol, da XP, vai à inauguração do ‘touro de ouro’ da B3

Cristiane Barbieri e Altamiro Silva Júnior

16 de novembro de 2021 | 13h45

A partir da esquerda, Rafael Brancatelli, Pablo Spyer, Guilherme Benchimol e Gilson Finkelsztain, CEO da B3    Foto: XP

O fundador da XP, Guilherme Benchimol, e o presidente da plataforma, Thiago Maffra, postaram nas redes sociais fotos da inauguração da escultura do touro de ouro da B3. A obra foi inaugurada nesta terça-feira a partir de uma iniciativa do economista, operador e apresentador Pablo Spyer, sócio da XP, com o artista plástico Rafael Brancatelli.

A escultura ficará instalada em frente ao prédio da B3 na rua XV de Novembro, no centro histórico da capital paulista. Na cerimônia de inauguração da obra hoje de manhã, o presidente da B3, Gilson Finkelsztain, disse que o touro, presente nos principais mercados financeiros do mundo, é um presente para a cidade de São Paulo e, em especial, para o centro, região que marca a história do mercado financeiro do Brasil.

Construído sobre uma estrutura metálica tubular com multicamadas de fibra de vidro de alta densidade e pintura de alta temperatura anticorrosiva, o touro tem 5,10 metros de comprimento, 3 metros de altura e 2 metros de largura. O economista Pablo Spyer, que idealizou o touro, disse que a escultura, ao atrair visitantes, pode ajudar a despertar ainda mais o interesse das pessoas pela bolsa e pelo mercado financeiro.

O touro mais conhecido do mundo é o que fica em Wall Street, maior centro financeiro do planeta. A obra foi feita pelo escultor italiano Arturo Di Modica, que morreu em fevereiro deste ano, aos 80 anos. Ele gastou US$ 350 mil para fazer o touro de bronze em 1989. Na época, foi instalado ilegalmente em frente à Bolsa de Valores de Nova York (Nyse), para marcar o renascimento do mercado após a quebra de 1987. Em seguida, o touro mudou para o local onde está hoje, a alguns metros da Nyse, quase no cruzamento da Broadway. Reza a lenda que coçar o focinho do touro e pegar seus chifres ou testículos traz sorte e dinheiro. Por isso, é difícil passar por lá e não ver uma fila de turistas para tirar fotos da escultura, símbolo do mercado em alta, o “bull market”.

O artista plástico brasileiro Rafael Brancatelli disse que é apaixonado pelo centro de São Paulo e sempre imaginou formas de tentar valorizar a região e atrair visitantes. Para criar o touro, ele contou que pensou em um animal com expressão de estar “um pouco bravo”, mas ao mesmo tempo sereno e consciente de sua força, preparado para os desafios.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 16/11/21, às 13h24.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.