Highline vai à Anatel defender sua proposta de compra da rede móvel da Oi

Highline vai à Anatel defender sua proposta de compra da rede móvel da Oi

Circe Bonatelli

12 de agosto de 2020 | 05h10

Representantes da Highline do Brasil, que está disputando a compra da rede móvel da Oi com o consórcio formado por TIM, Vivo e Claro, vão se reunir com o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) nos próximos dias, apurou a Coluna.

Peregrinação. O encontro faz parte das movimentações das proponentes juntos aos órgãos públicos para defenderem suas propostas de compra da Oi Móvel, que abrange 33,9 milhões de clientes – a maior parte de planos pré-pagos. Se a transação entre as empresas vier a ser fechada, precisará de anuência tanto da Anatel quanto do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Quem é quem. A Highline é desconhecida do grande público porque não atende diretamente o consumidor final. A empresa trabalha com infraestrutura de telecomunicações, como redes e antenas contratadas pelos provedores, o que levantou dúvidas de agentes do setor sobre a sua capacidade de prestar o serviço de telefonia e internet móvel se vier arrematar a Oi Móvel. A especulação do mercado é que a Highline teria interesse na compra das redes para depois ofertá-las às operadoras. Procuradas, Highline e Anatel não comentaram.

Bolso cheio. O controlador da Highline é um peso-pesado. O fundo norte-americano Digital Colony tem experiência no ramo, com mais de US$ 20 bilhões em investimentos globais em infraestrutura digital. Portanto, um cheque pela rede da Oi estaria à altura de sua capacidade.

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 11/08/2020 às 16:43

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse

http://www.broadcast.com.br/produtos/broadcastplus/

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.