Ibevar vê queda de mais de 4% nas vendas do varejo em novembro

Ibevar vê queda de mais de 4% nas vendas do varejo em novembro

Alda do Amaral Rocha

18 de novembro de 2021 | 05h30

Inflação em alta no País tem afetado as vendas do varejo   Foto: Marcos de Paula/Estadão

O Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo (Ibevar) estima que as vendas do varejo ampliado em novembro tenham forte recuo, de 4,14%, em relação a igual período de 2020. Em comparação com o mês anterior, a projeção é de alta de 0,10%. No acumulado do ano, a estimativa é de aumento de 6,07% nas vendas.

Para as vendas do varejo restrito, que excluem veículos, motos, partes e peças e material de construção, a projeção do instituto é de redução de 3,89% em comparação com novembro de 2020 e alta de 0,12% sobre outubro deste ano. No acumulado de 2021, a projeção é de aumento de 2,9% nas vendas.

De acordo com o presidente do Ibevar, o economista Claudio Felisoni de Angelo, o comprometimento da renda real das famílias por causa da inflação é uma das explicações para a queda projetada para o mês e para o aumento “pífio” entre outubro e novembro.

Só dois segmentos têm alta

Conforme a projeção do Ibevar, apenas dois, dentre os 11 segmentos do varejo avaliados, devem ter alta de vendas em novembro na comparação anual: artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos (0,50%) e hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,17%).

Todos os outros segmentos devem ter recuo. As maiores quedas em novembro são nos segmentos de livros, jornais, revistas e papelaria (-23,31%), móveis e eletrodomésticos (-16,42%); equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-11,49%) e materiais de construção (-7,89%). Em tecidos, vestuário e calçados a queda é de 2,89%; em combustíveis e lubrificantes (-2,7%) , veículos, motos, partes e peças (-0,78%) hipermercados e supermercados (-0,11%); e outros artigos de uso pessoal e doméstico (-0,06%).

Apesar do período do ano, quando normalmente as vendas ficam mais aquecidas, o Ibevar projeta nova queda em dezembro para o varejo ampliado, de 1,52%, na comparação com o mesmo mês de 2020. Para janeiro de 2022, a projeção é de um incremento de 1,10%. No caso do varejo restrito, a estimativa é de alta de 1,30% em dezembro sobre o mesmo mês de 2020, e para janeiro, aumento de 1,92%.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 17/11/21, às 16h06.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

varejocomércioinflaçãocriseIbevar

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.