Índice que mede inovação da indústria volta a patamar de janeiro de 2003

Talita Nascimento

05 de fevereiro de 2021 | 18h44

Linha de produção: menos lançamentos indicam retração nos investimentos. FOTO:WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Desde 2003, a indústria não demonstrava tanto desestímulo em lançar produtos no mês de janeiro como neste ano. Houve queda de 18,7% na intenção de lançamentos, na comparação com dezembro de 2020. Como em janeiro esse movimento é tradicional, o número foi dessazonalizado. Ou seja, essa é a queda real, descontado o efeito que já costuma se observar neste mês. A conta é do Índice GS1 Brasil de Atividade Industrial, da Associação Brasileira de Automação.

Tendência de inovação vinha sendo de alta

Segundo a gerente de pesquisa e desenvolvimento da instituição, Marina Pereira, a série histórica do índice começou em 2002 e, de lá para cá, o alcance da medição cresceu e a tendência de inovação era de alta. Em 2020, porém, a confiança da indústria caiu: no ano, a intenção de lançamentos recuou 9,4%, sendo que novembro e dezembro foram meses melhores. Para Marina, a consequência da falta de confiança é o menor investimento nos parques industriais.

No último mês, o setor mais estagnado foi o de alimentos. Comparado a janeiro de 2020, o índice todo retraiu 10,3%. Já no acumulado de 12 meses, a queda é de 8,4%. O índice é medido pelo registro de novos códigos de barras para produtos da indústria de transformação – alimentos, bebidas, têxtil, joalheria, brinquedos, instrumentos musicais e outros.

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 05/02/2021, às 12:57:25.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse http://www.broadcast.com.br/produtos/broadcastplus/

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

atividade econômicainovaçãoindústria

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.