Intenção de consumo das famílias cai 9,9% em 2021 e tem seu pior ano

Intenção de consumo das famílias cai 9,9% em 2021 e tem seu pior ano

Bruno Villas Bôas

05 de janeiro de 2022 | 05h40

Rua de comércio em SP; cenários de emprego e inflação afetaram a renda  Foto: Alex Silva/Estadão

A intenção de consumo das famílias registrou, em 2021, o pior ano desde que começou a ser medido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em 2010. O indicador foi de 71,6 pontos na média do ano, 9,9% abaixo de 2020. O índice baixo de 100 pontos indica uma percepção de “insatisfação”. Em dezembro, o indicador com ajuste sazonal registrou queda de 0,8%.

Todos os aspectos para o consumo pioraram no ano passado, com exceção das “compras a prazo”. O acesso ao crédito retraiu (-7%). Houve maior preocupação das famílias tanto em relação ao emprego atual quanto na perspectiva profissional.

Os cenários de emprego e inflação impactaram na renda dos trabalhadores. A pesquisa mostra que 40,6% das famílias consideram seu rendimento em 2021 pior do que no ano anterior. A entidade divulga mais detalhes a partir das 10h30 de hoje.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 04/01/22, às 17h33.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:

consumoíndiceCNCcrise

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.