Investimento cai e pessimismo sobe na indústria de materiais de construção

Investimento cai e pessimismo sobe na indústria de materiais de construção

Circe Bonatelli

28 de março de 2020 | 05h10

 foto: Patrícia Cruz / AE

O ânimo da indústria de materiais de construção desabou diante da pandemia do coronavírus. Em fevereiro, antes da crise, 71% das indústrias planejavam realizar investimentos no curto prazo. O setor percebia uma demanda elevada de materiais para reformas e novas obras. Mas após a chegada do surto, em março, essa marca despencou para 38%. Sem renda, pessoas e empresas devem postergar obras. Os dados foram levantados pela Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat).

Fechou o tempo. Nesse período, o otimismo em relação às ações do governo baixou de 25% para 10%, e o pessimismo cresceu de 4% para 24%. A maioria das indústrias de materiais ainda (67%) segue indiferente às intervenções estatais.

Help! A Abramat solicitou ao governo federal nesta semana a inclusão do comércio de materiais de construção como atividade essencial. O objetivo é que não haja obrigatoriedade dessas lojas fecharem, assim como acontece com farmácias e supermercados, por exemplo. Segundo a Abramat, a proposta foi aceita, e a autorização deve anunciada em breve.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Quer saber mais sobre o Broadcast? Fale conosco

Tudo o que sabemos sobre:

material de construçãocoronavírus

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: